Programa Acolher: livro narra a trajetória de quem se dedica ao cuidado de crianças e adolescentes

O Programa de extensão Acolher, do curso de Enfermagem (CCO), lança o livro “Programa Acolher e a Proteção Integral de Crianças e Adolescentes: Trajetórias Percorridas”, organizado pelas professoras Elaine Cristina Dias Franco e Edilene Aparecida Araújo de Silveira. O evento será nesta terça-feira, 23 de novembro, às 18h30, na Câmara Municipal de Divinópolis.

A obra, realizada em conjunto com membros da equipe técnica das Casas de Acolhimento “Comunidade Servos da Cruz” e “Santa Isabel”, tem como finalidade narrar as experiências vividas pelos membros do projeto, reunindo depoimentos das coordenadoras, estudantes de Enfermagem que fazem parte do Programa, representantes da Vara da Infância e Juventude de Divinópolis, e demais parceiros envolvidos.

“Somamos nossos esforços para trazer à luz nossas trajetórias, permitindo que possam ser replicadas em outras casas de acolhimento de diversos municípios e Estados. Acreditamos que o lançamento do livro no espaço da Câmara é favorável para o compartilhamento e visibilidade da obra”, destaca Elaine Franco, professora do curso de Enfermagem e coordenadora do projeto.

Programa Acolher

Em atividade desde 2016, o programa tem como público-alvo crianças e adolescentes institucionalizados, cuidadoras/mães sociais que trabalham em casas de acolhimento na cidade de Divinópolis (MG), e suas equipes técnicas. Por meio das atividades desenvolvidas, busca-se favorecer o crescimento e desenvolvimento biopsicossocial de meninas e meninos acolhidos, a partir do oferecimento de consultas de enfermagem, oficinas e atividades lúdicas, reforço de atividades escolares, entre outras ações.

As cuidadoras/mães sociais também são incluídas no programa no extensão, em que participam de rodas de conversas, oficinas e cursos de capacitação profissional. Ainda, é desenvolvido, anualmente, o “Seminário Acolher”, que neste ano entra em sua quarta edição. “Desde a sua criação, [o seminário] conta com a participação de profissionais dos diversos segmentos que envolvem a institucionalização (secretaria de educação, conselho tutelar, vara de infância, dentre outros), associados a profissionais e serviços de outros municípios e Estados”, destaca a professora Elaine.


Publicada em 23/11/2021
Fonte: ASCOM

 Voltar