O amor em tempos de crônica

Professor José Antônio Oliveira de Resende

"Minhas simples palavras à sua grande história"

Em que rima eu criei o meu verso?

Em qual rua eu encontro a minha nação?

Um dia, resolvi singrar novos oceanos. Eles me sussurravam, na solidão da praia, novos horizontes além dos horizontes que eu conhecia. Não era canto de sereia; era acorde de embalar marinheiro.

Juntei sacrifícios, lutas, quedas, vitórias e muitas leituras. Formei com isso a minha bagagem. Nela, uma etiqueta de identificação: “Esperança”.

Cruzei abismos, contornei penhascos e evitei naufrágios nas tormentas. Enfim, o horizonte que as ondas me anunciaram!

Espaço promissor, conhecimentos surpreendentes, experiências renovadoras e enseadas onde eu pude criar novos mares. Navegante junto com outros navegantes, que também sabiam criar mares, fui aos poucos me fazendo compromisso, amor e fidelidade. Até que, ao me ver refletido nas águas desses tantos mares, li escrito em meu semblante: UFSJ.

Narciso ao contrário... pois a beleza eu não vi em mim, mas na instituição à qual eu me incorporei numa simbiose de trabalho e vida.

Ao completar seus 34 anos, a UFSJ não apenas repete mais um aniversário: ela se rejuvenesce em sua crescente maturidade, ela se renova a cada abril.

Abril das pétalas tristes que se despencaram de uma forca num passado distante... abril de um outono frio que conheceu as desalentadoras neves de uma nova república que não se vingou... abril de planeta doente, de mortes multiplicadas pela ditadura dos cérebros encolhidos…

Todavia, abril é esperança em pétalas que um dia voltarão às corolas... abril é certeza de que a primavera chega depois do inverno... abril de agora também é momento de resistência às atrocidades contra a vida, a ciência, o meio ambiente, a cultura, a saúde, a educação, a dignidade... abril de agora é a continuidade da luta para se manter de pé enquanto o país sofre tantas rasteiras!

Apesar do pesado cenário, abril oferece a comemoração de mais de três décadas da nossa Universidade. Expansão, conquistas e aprimoramentos são os adornos do evento comemorativo. Coragem, força e luta são os convites para o baile. O diálogo que constrói é a valsa da festa.

Festejar com alegria na razão e razão no sentimento.

Aqui estou, UFSJ, mais um ano com você. Nas aulas que ministro, a minha voz que jamais aceitou mordaça. Nas pesquisas que faço e oriento, o entusiasmo pela descoberta. Nas extensões que realizo, o estímulo à transformação.

História, memória e vitória rimam em seu trajeto, UFSJ.

Foi nessa rima que eu criei o meu verso de docente sabiá.

Minha rua tem palmeiras onde cantam diferentes sabiás.

Foi nessa rua que eu encontrei a minha nação.

 

Professor do Departamento de Letras, Artes e Cultura da UFSJ
Autor da letra e da música do hino da Universidade


Publicada em 24/04/2021
Fonte: ASCOM

 Voltar