Pesquisa avalia impacto do ensino remoto na alfabetização

O coletivo Alfabetização em Rede, composto por cerca de 100 pesquisadores de 29 universidades brasileiras, iniciou em março a pesquisa Alfabetização em Rede: uma investigação sobre o ensino remoto da alfabetização na pandemia Covid-19 e sobre a recepção da Política Nacional de Alfabetização (PNA). O coletivo é coordenado pelo Grupo de Pesquisa em Alfabetização Linguagem e Decolonialidade (Gpeale) da UFSJ, sob a liderança da professora do Departamento de Ciências da Educação, Maria do Socorro Alencar Nunes Macedo.

A primeira fase da pesquisa constitui-se de um questionário voltado a docentes da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental, que ficará disponível até o final do mês deste mês. O Gpeale já contabilizou cerca de 13 mil respostas, em todas as regiões do país.

A iniciativa tem por objetivo conhecer como vem se efetivando o processo de alfabetização infantil durante o isolamento social, ao mesmo tempo em que investiga como a Política de Alfabetização do atual governo está sendo recebida pelos docentes. A segunda fase da pesquisa, com duração de dois meses, terá caráter qualitativo, e pretende analisar as condições de ensino naquela faixa de atuação, a partir da promoção de rodas de conversas com alfabetizadores. Para tanto, as questões foram submetidas ao Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos das unidades educacionais de São João del-Rei, que as aprovou, conforme parecer número 36333320.0.0000.5151.

Para acompanhar as ações do Gpeale, acesse a página do grupo no Facebook

Samara Santos
Estudante de Jornalismo, estagia na Ascom


Publicada em 25/08/2020
Fonte: ASCOM

 Voltar