Tese da UFSJ premiada pela Capes traz técnica inovadora na detecção do câncer de mama

Publicada em 31/08/2023 - Fonte: ASCOM

Pelo segundo ano consecutivo, o Programa de Pós-Graduação em Física e Química de Materiais da UFSJ (FQMAT) tem uma pesquisa selecionada pelo Prêmio Capes de Tese.

A doutora Ana Elisa Ferreira de Oliveira, sob orientação do professor Arnaldo César Pereira (DCNAT), teve sua pesquisa reconhecida como uma das melhores teses de doutorado defendidas no Brasil em 2022.

Para o orientador do trabalho, a importância maior é o reconhecimento e a consolidação do FQMAT. “Essa tese representa contribuição relevante para o avanço do conhecimento na área de Materiais. O trabalho gerou, como produção direta, oito artigos científicos publicados em periódicos de alta relevância. Como destaques, o artigo publicado no periódico Talanta, com fator de impacto 6,556, e o publicado em Electroanalysis, que foi um dos artigos mais baixados em 2021, conforme divulgado na página da UFSJ.”

Os autores informam que há ainda no momento outro trabalho em processo de revisão pela Electroanalysis, o qual, se aceito para publicação, renderá nove trabalhos publicados em decorrência da tese, algo acima da média tanto no FQMAT como em outros programas de Materiais do país. Arnaldo destaca que a redação da tese em inglês favoreceu muito sua divulgação para além do cenário nacional, ampliando a utilização e amplitude como trabalho científico brasileiro.

O coordenador do FQMAT, professor Marco Antônio Schiavon, exalta a dupla premiação no Prêmio Capes de Tese. Para Schiavon, o bicampeonato 2022-2023 na área de Materiais “demonstra que o Programa conquistou nos últimos anos um nível de qualidade e maturidade científica excepcionais, comparáveis a qualquer universidade brasileira ou estrangeira. Por outro lado, também precisamos destacar que é um processo natural, visto que no último quadriênio (2017 a 2020) o FQMAT conquistou a nota 5 na avaliação da Capes, o que é reflexo do envolvimento de professores e discentes.”

A tese
Desenvolvimento de eletrodos impressos em papel para determinação do biomarcador de câncer CA 15-3 em amostras biológicas produziu dois sensores eletroquímicos sensíveis, simples e de baixo custo, impressos em papel, como alternativa eficaz para a determinação do biomarcador de câncer de mama CA 15-3 em amostras biológicas.

O câncer de mama é o tipo de tumor mais comum em mulheres na maior parte do mundo. Mulheres com mais de 50 anos são mais afetadas por esse tipo de câncer: estatisticamente, cerca de uma em oito mulheres são diagnosticadas com câncer de mama durante a vida. O CA 15-3 pode ser determinado em fluidos corporais no tratamento de pacientes com esse tipo da doença. Os sensores foram aplicados na determinação de CA 15-3 em amostras de soro sanguíneo e saliva.

De acordo com o professor Arnaldo César, são muitas as vantagens sobre as técnicas convencionais. A alta seletividade e sensibilidade e o baixo custo de produção dos aparelhos é uma delas, já que não requerem muita manutenção para seu uso e conservação. Além disso, a análise pode ser feita em tempo real, não sendo preciso técnicos especializados: dessa forma, obtém-se uma resposta rápida e muitas vezes sem a necessidade de pré-tratamento da amostra analisada. Os eletrodos impressos podem ser fabricados em larga escala, o que permite uma produção de baixo custo. Pelo fato de serem descartáveis, a etapa de limpeza é dispensada. Consequentemente, os sensores impressos são conhecidos como dispositivos de baixo custo, miniaturizados, descartáveis e de alta sensibilidade.

Prêmio Capes de Tese
“Foi uma grande surpresa a premiação. Eu estou me sentindo extremamente honrada por ter meu trabalho de doutorado reconhecido com o recebimento de um prêmio tão importante. É uma sensação indescritível. Comemoro essa vitória junto a todos que, de forma indireta ou direta, me ajudaram a realizar meu sonho”, afirma Ana Elisa.

De acordo com o edital do prestigioso prêmio, a seleção visa reconhecer as melhores teses de doutorado defendidas no Brasil em 2022, uma em cada área do conhecimento reconhecida pela Capes.

Até 49 trabalhos são escolhidos na primeira etapa. Desses, três receberão o Grande Prêmio Capes de Tese, relacionado a cada grande área: Ciências Biológicas, da Saúde e Agrárias; Engenharias, Ciências Exatas e da Terra e Multidisciplinar (Materiais e Biotecnologia); Ciências Humanas, Linguística, Letras e Artes e Ciências Sociais Aplicadas. Os vencedores do Grande Prêmio serão conhecidos em novembro.

Programas de pós-graduação de todo o país fazem uma pré-seleção, para eleger as teses que os representarão no concurso. Os trabalhos, defendidos no Brasil, precisam estar registrados na Plataforma Sucupira. Os autores das teses premiadas recebem bolsa de até um ano para estágio pós-doutoral em instituição nacional, certificado e medalha. O orientador é premiado com até R$ 3 mil, além de certificado, que também será oferecido aos coorientadores e ao programa de pós-graduação no qual o trabalho foi defendido.

O Grande Prêmio corresponde a uma bolsa para estágio pós-doutoral em instituição internacional, por até 12 meses, certificado e troféu. Cada orientador vai receber R$ 9 mil, para participar de congresso internacional e certificado de premiação, assim como coorientadores e programas de pós.

Instituições parceiras oferecem prêmios adicionais. A Fundação Carlos Chagas repassa R$ 25 mil aos autores das teses vencedoras nas áreas de Educação e Ensino, além de quatro menções honrosas no valor de R$ 10 mil, duas em cada uma dessas áreas. Já a Dimensions Sciences vai oferecer US$ 2 mil a uma autora na área de Biotecnologia cujo trabalho tenha relação com inovação e empreendedorismo.

Ana Elisa e sua trajetória
“Meu pai foi meu professor de Química no ensino médio. Via ele fazendo experiências em casa, como o teste de chamas para fogo colorido, indicador de pH de repolho roxo, e até acendendo uma lâmpada com solução salina. Quando chegou a hora de escolher o curso na Universidade, escolhi a Química. Entrei na UFSJ em 2011. Durante minha graduação, fiz duas iniciações científicas orientadas pelo professor Arnaldo, ambas na área de desenvolvimento de sensores. Fui premiada pela Comissão Organizadora do XXVII Encontro Regional da Sociedade Brasileira de Química pelo trabalho apresentado neste encontro, referente a uma dessas iniciações. Em 2015, fiz mestrado no FQMAT, e ingressei no doutorado em 2017, nesse mesmo Programa.

A Iniciação Científica na UFSJ foi a introdução na minha carreira como pesquisadora. A partir dela, entendi a importância da pesquisa científica e tive certeza da minha vontade de continuar meus estudos na pós-graduação. Durante meus anos de pesquisa, publiquei 19 artigos em diferentes periódicos. Entre graduação, mestrado e doutorado, foram 10 anos na UFSJ. Uma década de muito estudo, aprendizado, desafios e evolução pessoal. Sou eternamente grata pelo papel da minha Universidade em minha trajetória profissional.

Meu caminho foi árduo, de muito trabalho e dedicação. Parte do meu doutorado foi executado durante a pandemia. Tive que me adaptar a uma nova realidade e ter o trabalho no laboratório interrompido por meses foi desafiador. Quando finalmente voltei, tentar tirar o atraso foi extremamente cansativo. Passar manhã, tarde e noite no laboratório, e muitas vezes sair sem resultados, foi estressante.


Em 2022, passei no concurso público de Analista de Saneamento da Companhia de Saneamento Municipal de Juiz de Fora (Cesama. Atualmente, trabalho como supervisora do Laboratório de Físico-química. Com a bolsa de pós-doutorado, da premiação da Capes, pretendo dar continuidade à minha pesquisa no desenvolvimento de sensores.”

FQMAT
O Programa de Pós-Graduação em Física e Química de Materiais da UFSJ é constituído por docentes de três áreas de formação: Química, Física e Engenharia.

Os objetivos são a geração e difusão do conhecimento científico e a formação de recursos humanos aptos à aplicação de conhecimentos e técnicas de Física e Química na síntese, processamento, caracterização e estudo de materiais, e ao entendimento e solução de problemas na área de materiais, visando ao avanço do conhecimento nesta área.

O FQMAT é avaliado como programa conceito 5 junto à Capes. “É importante destacar que essa avaliação vai de 3 a 7 e, quanto maior o conceito obtido, maior o apoio recebido, como bolsas e auxílio financeiro. Nesse sentido, uma conquista nesse nível demonstra que o FQMAT e a UFSJ são capazes de produzir ciência de qualidade, além de colocar o nome de ambos em destaque nacional,” analisa o professor Arnaldo.