Princípios da Avaliação Institucional


A Avaliação Institucional divide-se em duas modalidades:

Autoavaliação – Coordenada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) de cada instituição e orientada pelas diretrizes e pelo roteiro da auto-avaliação institucional da CONAES.

Avaliação externa – Realizada por comissões designadas pelo Inep, a avaliação externa tem como referência os padrões de qualidade para a educação superior expressos nos instrumentos de avaliação e os relatórios das auto-avaliações. O processo de avaliação externa independente de sua abordagem e se orienta por uma visão multidimensional que busque integrar suas naturezas formativa e de regulação numa perspectiva de globalidade.

Em seu conjunto, os processos avaliativos devem constituir um sistema que permita a integração das diversas dimensões da realidade avaliada, assegurando as coerências conceitual, epistemológica e prática, bem como o alcance dos objetivos dos diversos instrumentos e modalidades.


A Autoavaliação Institucional

A autoavaliação institucional é o processo avaliativo desenvolvido pela própria Instituição de Ensino com o objetivo de gerar informações e produzir conhecimentos a cerca da realidade institucional, objetivando o redimensionamento da mesma a partir de decisões tomadas em função da melhoria da qualidade do ensino.


Objetivos da Autoavaliação Institucional

Deve ser uma construção coletiva dos sujeitos que integram a universidade buscando o desenvolvimento de uma cultura avaliativa em prol do aperfeiçoamento de, respeitando os objetivos da avaliação formativa:

• Produzir conhecimento;

• Questionar os sentidos das atividades e finalidades da instituição;

• Identificar as causas de problemas e deficiências;

• Aumentar a consciência pedagógica e capacidade profissional dos docentes e técnico administrativos;

• Fortalecer relações de cooperação entre os atores institucionais;

• Julgar a relevância científica e social das atividades e produtos da instituição;

• Prestar contas à sociedade;

• Efetivar a vinculação da Instituição com a comunidade.


Princípios da Autoavaliação Institucional

A CPA entende que a estrutura da avaliação institucional deve:

• Ser contínua e permanente;

• Contar com a participação ampla da comunidade acadêmica (discentes, docentes e técnicos administrativos) em todas as etapas da avaliação;

• Considerar o Plano de Desenvolvimento Institucional como diretrizes no processo de avaliação;

• Utilizar, com o maior grau de integração possível, métodos qualitativos e quantitativos de avaliação;

• Ser constituída de métodos de simples entendimento e administração;

• Ser adaptável às necessidades e características da instituição ao longo de sua evolução;

• Utilizar as informações já disponíveis sobre a instituição;

• Criar uma cultura de avaliação em toda a instituição, focada na constante melhoria e renovação de suas atividades;

• Fornecer à gestão institucional, ao poder público e à sociedade uma análise crítica e contínua da qualidade dos serviços prestados pela Instituição.